• Home
  • Planejamento dos Manejos no Café Conilon: A corrida contra o tempo

Artigos

Planejamento dos Manejos no Café Conilon: A corrida contra o tempo

  •   IMPRIMIR


José Roberto Gonçalves – Engenheiro agrônomo da Cooabriel
Perseu Fernando Perdona – Engenheiro agrônomo, coordenador técnico da Cooabriel

É muito comum ouvir a expressão que o “tempo passa rápido” e, quando menos imaginamos, já chegou o Natal. Nesse sentido, muitos projetos em nossas vidas ficam para trás: a viagem com a família, a visita a um parente distante, uma avaliação médica geral, a melhoria do tipo de alimentação, entre outros projetos que não são concretizados. Logo, se refletimos, o tempo continua com as 24 horas, as semanas continuam tendo sete dias, os meses, em média, 30 dias e o ano 365 dias. Sendo assim, o tempo não está mais curto, nós que não estamos conseguindo nos organizar e priorizar nosso planejamento para curtir a família e os amigos e as atividades na propriedade. Se é comum a dificuldade em planejar nossa vida pessoal, imagina planejar os manejos em nossas lavouras de café.

O Café Conilon no Brasil vem se destacando anualmente em produtividade e qualidade, devido à adoção de tecnologias, principalmente no que se refere à seleção de novos cultivares, irrigação, nutrição e manejo das áreas. No entanto, também é muito comum observar em algumas propriedades uma falta de planejamento de muitos manejos que podem comprometer o resultado da atividade na propriedade e, consequentemente, a viabilidade da atividade.

Planejamento das adubações das lavouras:

É muito difícil encontrar um produtor de café que não reclame do preço dos fertilizantes (que estão muito caros) e em muitas situações não planeja as adubações em tempo, para não ter perdas desde o início da safra. Observa-se, na tabela 1, que o fato de não realizar uma análise do solo no início da safra pode comprometer a assimilação dos nutrientes pelas plantas de acordo com o pH do solo e comprometer tanto o pegamento da florada e o vingamento do chumbinho. Ver tabela de estimativa:

Tabela 1. 

Para muitos produtores, o início da safra do café conilon se mistura com o final da safra e aumenta os desafios de correção do solo e planejamento das primeiras adubações da lavoura. Uma alternativa seria fazer as análises de solo antes do período da colheita e, em algumas lavouras, seria possível antecipar até mesmo a correção do solo, com intuito de melhorar o aproveitamento do investimento com os fertilizantes, que se encontra na faixa de 20% do custo de produção (dados do projeto Conilon Eficiente da Cooabriel).

Manejo preventivo de plantas daninhas, pragas e doenças:

O monitoramento das doenças, pragas e plantas daninhas na lavoura de café conilon e sua respectiva avaliação do nível de dano econômico (NDE) é uma das formas mais sustentáveis no manejo das lavouras. No entanto, existe ainda muita dificuldade dos produtores realizarem este monitoramento eficaz, para tomadas de decisão, no manejo das lavouras no momento exato, sem perdas de rentabilidade na propriedade. Nesse sentido, o acompanhamento de um engenheiro agrônomo e/ou um técnico agrícola na propriedade do produtor pode orientar a melhor alternativa para o manejo preventivo nas lavouras, reduzindo os riscos, com melhor custo benefício.

Um bom exemplo do manejo preventivo é a estratégia de controle do mato com herbicidas pré-emergentes e/ou manejo de cobertura do solo com brachiária (A), do manejo da ferrugem do cafeeiro (B) e da cochonilha da roseta (C).

É sempre importante se atentar que a planta de café conilon possui necessidades diferentes de nutrição e manejo nas suas diferentes fases de desenvolvimento (pré florada, floração, chumbinho, granação, maturação, colheita e pós-colheita). Tomando como exemplo o nitrogênio, um dos principais nutrientes na adubação do café conilon, em cada fase da planta ela necessita de quantidade diferentes desse elemento.

Nota-se que no mês de dezembro um clone precoce/médio na fase de produção exige em média 18% do nitrogênio total do ciclo, enquanto um clone tardio exige apenas 11%. Já no mês de abril o inverso acontece o clone precoce/médio exige 4%, enquanto o tardio exige 8%. Em lavouras formadas por diferentes tipos de clones (precoce e tardio), quando tratados da mesma forma podemos ter perda de desempenho das plantas, podendo acarretar até mesmo a mortalidade de plantas na lavoura.

A iniciativa do produtor para procurar um apoio técnico para ajudar nas tomadas de decisão na propriedade é muito assertiva, uma vez que no cenário atual da cafeicultura um posicionamento errado pode comprometer o resultado de toda uma safra.

A Cooabriel possui os programas Conilon Eficiente e Consultoria Técnica para ajudar seus cooperados a tomarem as melhores decisões nos manejos das suas lavouras, reduzindo os riscos da atividade e promovendo um agronegócio sustentável.

 

COOABRIEL
Cooperativa Agrária dos Cafeicultores de São Gabriel
SEDE ADMINISTRATIVA
Avenida João XXIII, Nº 08 - Centro, São Gabriel da Palha - ES
[email protected]
(27) 2158-1000

Desenvolvido por: